sexta-feira, 26 de maio de 2017

PESCA DA TAINHA

Sorteio para obter licença para pesca acontece em Itajaí nesta quinta-feira (25)

Sindicato diz que 5 embarcações de SC receberam autorização para a pesca industrial da tainha

Sorteio ocorreu na manhã desta quinta-feira (25) em Brasília, mas lista oficial ainda não saiu. Concorriam por Santa Catarina 42 armadores.

Por G1 SC

Apenas cinco armadores catarinenses terão direito a pescar a tainha na modalidade de cerco neste ano, informou o Sindicato dos Armadores e das Indústrias da Pesca de Itajaí e Região (Sindipi) após sorteio na manhã desta quinta-feira (25) na Secretaria de Aquicultura e Pesca do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) em Brasília.

Até a noite desta quinta, a lista oficial dos selecionados não havia sido divulgada pelo Mapa, segundo o sindicato, o que deve ocorrer nesta sexta (26). No fim da tarde, após a divulgação do resultado do sorteio pelo Sindipi, surgiu a informação de que uma dessas embarcações seria do Rio Grande do Sul, embora estivesse atracada em Itajaí. O sindicato aguardava a confirmação do ministério, e informou que o número inicial divulgado foi baseado no áudio da transmissão do sorteio, feita pela internet.

Por determinação do Mapa, na modalidade cerco, no máximo 32 embarcações do país poderiam ser selecionadas. Juntas, elas deveriam ter o somatório total máximo de 1.188 arqueação bruta (AB), que significa a capacidade de volume interno do barco.

Com relação a 2016, o número máximo de autorizações diminuiu em cerca de 20%. Levando em conta a capacidade dos barcos, durante o sorteio, apenas 18 embarcações foram selecionadas.

Das regiões Sul e Sudeste, 70 barcos participaram do sorteio. Dessa relação, 42 eram de Santa Catarina.

Conforme o Mapa, os selecionados terão de apresentar documentação para homologar a autorização, posteriormente publicada em Diário Oficial da União. Depois disso, os interessados têm dois dias para apresentar recurso.

A safra industrial da tainha começa em 1º de junho e vai até 31 de julho.

Armadores pretendem recorrer

Segundo o Sindipi, armadores que não foram beneficiados com o sorteio pretendem recorrer individualmente com mandados de segurança para buscar licenças.
De acordo com o sindicato, durante o sorteio, os barcos com maiores ABs foram desclassificados, com prioridade para os de menor capacidade de pesca. O Sindipi considera que esse critério não estava esclarecido na portaria do sorteio.

Autorizações
Conforme o Mapa, até 94 embarcações teriam autorização para a pesca da tainha neste ano, somando as autorizações de emalhe e de cerco.
No primeiro sorteio, dia 17 de maio, de rede de emalhe, as embarcações selecionadas poderiam chegar a 62. No entanto, avaliando a capacidade de pesca, apenas 44 embarcações foram selecionadas.

MAR DE OLHARES


Domingos Fossari - ( 1914 - Itaqui/1987 - Florianópolis)

SEM VENTO

Resultado de imagem para farol de santa marta

Só se corria notícia
De Santa Marta para lá
O peixe tava em cardume
Sem vento pra viajar



(Verso de pescador de tainhas da Ponta do Papagaio, inverno de 1957, quando os peixes também  rarearam)

APOITADA...

Foto Fernando Alexandre

MAR DE OUTONO

Foto Fernando Alexandre

PRETO NO BRANCO

Foto Fernando Alexandre

PELO DIREITO DE PESCAR!


Pescadores entram na Justiça Federal sobre pesca da tainha

FABIO GADOTTI 

Inconformados com as restrições nas licenças para a pesca da tainha, entre 1º de maio e 31 de julho, pescadores artesanais catarinenses entraram com uma ação na Justiça Federal pedindo a ilegalidade e inconstitucionalidade da instrução normativa que regulamentou a atividade. Caso seja concedida, a liminar vai beneficiar cerca de 55 embarcações que, por enquanto, estão proibidas de operar no nosso litoral. O processo foi protocolado pelos advogados de Florianópolis Ernesto São Thiago e Filippos Evagelos Karabalis.

(Do https://ndonline.com.br/florianopolis/coluna/fabio-gadotti/)

BRANCO & PRETO

Foto Fernando Alexandre

TÃO ABANANDO!!! TÃO ABANAANNNDO!!!

Fotos Andrea Ramos

Era com esse grito - o apupo - que os pescadores avisavam a camaradagem e os moradores da Armação do Pântano do Sul que os vigias tinham avistado uma manta de tainhas e que as canoas iriam cercar.
Mas isso já faz algum tempo. De alguns anos para cá, com o mar avançando na praia e a faixa de areia quase sumindo, não tem mais espaço para a pesca de arrasto com os ternos de praia, formados por redes e canoas bordadas tocadas a remo.
Mas a tainha continua sendo pescada na Armação, só que agora com as redes caça-de-malha. As baleeiras e botes, movidas a motor, procuram e cercam o peixe nas águas próximas, entre a Armação, Morro das Pedras e Ilha do Campeche.

quinta-feira, 25 de maio de 2017

A RECEITA DO "DIJO"


Dario Coelho, o "Dijo", pescador, dono e "Patrão" da centenária canoa "Espírito Santo" e também proprietário do Restaurante Canoa Grande, no Pântano do Sul, dá a sua receita de tainha.
Uma boa indicação pra qualquer fim-de-semana!

NA TAINHA

Olhar e clique do Silézio Sabino

MALHEIRAS

Foto Fenando Alexandre

BENZENDO AS REDES




Ilda Martinha Vieira, a tia Ilda, do Pântano do Sul, é uma das últimas benzedeiras da Ilha de Santa Catarina.  Suas rezas curam zipra, cobreiro, engasgo e protegem contra o mau olhado. E até as redes dos pescadores recebem a sua benção, como ela conta no vídeo.

TAINHA É PUNK ROCK

Vídeo da extinta banda de punk rock "Tainha de Desterro."
Panchi, Garganta, Foca, Tequilla e Keen eram os Tainhas da época. "Black Tainhas" é uma criação de toda a galera e o vídeo é de 2005. Abaixo, confira a letra!

Black Tainhas

Defender é nosso estilo
Único e independente
Nascido na beira do mar
Logo depois da ponte
Alimentado com peixe frito
E pirão com camarão
Tentar expor as injustiças
Causadas contra o povão

É punk rock tainha
Nascido na beira do mar
É punk rock tainha
Tamo aqui pra protestar
É punk rock tainha
Nascido na beira do mar
Divertido e popular

Somos contra as modinhas
Emo, poser satanás
Não queremos impor nada
Pirão d’água é demais
Tentando abrir seus olhos
Contra tudo que há de errado
Contra os enganadores e políticos mascarados

É punk rock tainha
Nascido na beira do mar
É punk rock tainha
Tamo aqui pra protestar
É punk rock tainha
Nascido na beira do mar
Divertido e popular

AS TAINHAS MANDAM AVISAR QUE...

Zenaide do Estevão, única mulher que faz parte das listas da pesca da tainha na ilha, dona do restaurante "Pedacinho do Céu", conta em versos o recado que recebeu das tainhas...
Os principais criadouros das tainhas que chegam no litoral de Santa Catarina são a Lagoa dos Patos, no Rio Grande do Sul, e o Rio da Prata, entre o Uruguai e a Argentina.

PESCA INDUSTRIAL

Resultado de imagem para traineiras e barcos de pesca

Sorteio das embarcações para a safra da tainha está marcado para esta quinta-feira
Por causa das manifestações previstas em Brasília, Secretaria da Pesca decidiu transferir o sorteio

Foi publicado no Diário Oficial da União desta quarta-feira (24) a transferência da data do sorteio das embarcações para a safra da tainha. De acordo com a publicação, o procedimento que vai definir as embarcações para a safra deste ano, será realizado nesta quinta-feira (25), às 10h da manhã no auditório do Ministério da Agricultura.

O sorteio será transmitido ao vivo pelo facebook pelo endereço: https://www.agricultura.faceboock.com/MinAgricultura. Este ano, serão emitidas 32 licenças para embarcações da região sudesde/sul do país.

De acordo com informações divulgadas pelo Ministério da Agricultura o motivo da transferência, foi a manifestação que está sendo realizada hoje em Brasília contra as reformas da previdência e trabalhista.

quarta-feira, 24 de maio de 2017

A TAINHA É MiNHA PRAIA!


"Esporão de Bagre" na Tainha!

Guitarra Solo, Violão e Coro: Helinho Calandrini / Bateria: Matheus Passos / Baixo e Guitarra Base: Tiago Alves / Voz: Mirela Carpes
Participação Especial: Capitã Zenaide (Bar e Restaurante Pedacinho do Céu)
Funk da Tainha e Apupus: gravações cedidas gentilmente por Fernando Alexandre Tainha na Rede
produção: Tiago Alves
Música autoral da banda catarinense Esporão de Bagre, uma composição de Tiago Alves

UM PEDACINHO DO CÉU, PARA TODOS!

E Viva!

EXCLUSIVO! ONDE ESTÃO AS TAINHAS?

Fotos Ostra-Ligeira
Depois de percorrer milhares de quilômetros por terra, água e ar, nossa equipe (formada pelo incansável repórter Marisco-Manco, "aquele que está sempre em cima do lanço" e pela intrépida fotógrafa e cinegrafista Ostra-Ligeira), finalmente descobriu onde se encontram as tainhas que até agora quase não apareceram na ilha.

TAINHAS À PLUMA - NO ANZOL

Pesca de tainhas" à pluma" no Rio D'Ouro, ora ora!

MAR-CAIS


 foto www.poetaeusou.blogspot.com
o sol esconde
na memória das águas
tudo que não sei onde

(Fernando Alexandre)

NA LISTA DA PESCA!

Sérgio
Fotos Andrea Ramos

Zé da Armação 
Seo Arante - Em memória

TAINHA PORTUGUESA, COM CERTEZA...


Tainhas da Roca em Forno a Lenha

Ingredientes: Para 4 pessoas

* 1 tainha de kg ;
* 1,5 dl de azeite ;
* 750 g de batatas pequenas ;
* 2 cebolas grandes ;
* 2 dentes de alho ;
* 300 g de tomate ;
* vinho branco ;
* sal ;
* pimenta

*coentros


Num tabuleiro de barro de ir ao forno deita-se o azeite e as cebolas cortadas ás rodelas.Sobre as cebolas coloca-se a tainha escalada sem cabeça e sem a espinha central. Numa tigela deitam-se os alhos picados, o tomate sem pele e sem grainhas, os coentros e a pimenta. Mistura-se bem para fazer uma massa e barra-se a tainha interior e exteriormente com o preparado.
À volta do peixe colocam-se as batatinhas previamente polvilhadas com sal . Leva-se a assar em forno quente, regando o peixe de vez em quando com o molho que se vai formando e com o vinho branco.

terça-feira, 23 de maio de 2017

MAR DE POETA

Arte Andrea Ramos
Da griffie  poética "Cobra Coralina", textos & traços & emoções à flor da pele, naquele tempo em que acreditar era pra sempre e ainda se discutia o sexo das tainhas!

E A TAINHA VIROU PIZZA...

ATÉ TU, TAINHA!
Tainha assada na brasa
(pizza de tainha)

Receita enviada por Cláudio Siegel, de Brasília
Ingredientes
1 tainha aberta por cima ou pela barriga sem a espinha ( fazer um filé)
 1 cebola grande picada; 
1 tomate grande picado; 
Alcaparras a gosto 
Sal a gosto 
Maionese 
Preparo
Temperar a tainha com sal
 Passar a maionese hellmans sobre a tainha 
Colocar a cebola, o tomate e as alcaparras 
Montar como uma pizza sendo a massa da pizza a tainha 
Em um grill colocar a tainha aberta com a escama para baixo 
Assar em uma altura de 30 a 40 cm da brasa, por uns 45 minutos.

RESTOLHOS

Foto Fernando Alexandre
Na praia, o que sossobra da lida das marés...

DE OLHO NO PEIXE!

Foto Fernando Alexandre

Capitão Ademir, "patrão", Fabrício e Geisiel, "remêros" e "Pezão", "camarada"!

NA ESPERA E NA ESPREITA!

E COMO ERA A PESCA?


Dario Coelho, 48 anos, pescador e "patrão" é dono da canoa bordada mais antiga do Pântano do Sul, a "Espírito Santo", que tem "pra mais de 130 anos." Em frente a seu restaurante, o "Canoa Grande", ele compara a pesca de hoje com a de antigamente.

MAR DE NAVEGADORES

O Deutsches Sport, media 6 metros de comprimento

Primeira travessia do Atlântico de caiaque


Em 1928 o Capitão Franz Romer partiu de Lisboa para a expedição considerada como a primeira travessia do Atlântico de caiaque

Como conta o livro “Os Navegadores Solitários”, de Jean Merrien, ao partir para a primeira travessia do Atlântico de caiaque o capitão de origem alemã Franz Romer perseguia um objetivo científico e altruísta. Ele queria provar que era possível sobreviver. Lutar com o oceano e alcançar a terra em um barco minúsculo.

Seu caiaque Klepper , batizado Deutsches Sport, media 6 metros de comprimento, por 0,95m de largura. Tinha um calado de 0,25m, e para a primeira travessia do atlântico adaptou-o com uma vela quadrangular latina. Também instalou um comando de leme movido pelos pés. Dotou o barco de flutuadores cheios de ar, além de reservatórios de gás carbônico. Embora o prospecto de venda da embarcação informasse a carga máxima de 600 quilos, partiu com pelo menos 680 quilos. Incluídos aí água doce, alimentação, velas de reserva e até um fogão.

Partiu de Portugal (Cabo de São Vicente) em 31 de março de 1928. Em 11 dias já havia atingido as Canárias, de onde se considerou a “verdadeira partida”


Já nessa primeira travessia pôde pressentir o que lhe reservava a aventura: enfrentou o primeiro furacão e passou 3 dia e 3 noites sem dormir.

Largou novamente em 03 de junho de 1928

Largou novamente em 03 de junho de 1928, em direção à Nova Iorque. Foram mais três meses de uma aventura árdua em sua minúscula embarcação. Ele velejava sentado, sem poder se mexer, sem poder dobrar as pernas, distender a bacia. E sequer podia satisfazer com normalidade as necessidades mais primárias do ser humano.

Para fazer sua comida, colocava o fogão entre as pernas. Até que um dia o objeto incendiou-se e, para não se deixar queima-lo vivo, lançou-o na água.
Após 88 dias chegou à Ilha de Saint-Thomas
Após 88 dias de um sofrimento atroz, com o corpo roído pelo sal e úlceras dolorosas, o Capitão Romer chegou à Ilha de Saint-Thomas. Levado a um hotel, dormiu 48 horas ininterruptas. Depois foi hospitalizado por várias semanas.

Recuperado retoma sua viagem em direção à Nova Iorque no princípio de Outubro, sem saber que uma tempestade atravessaria novamente o seu caminho.

Foi visto pela última vez no Cabo Hateras
Nenhum vestígio jamais foi encontrado. Apesar de não haver registro escrito de sua experiência, Franz Romer é considerado o primeiro navegador a fazer a travessia do Atlântico em um caiaque.

Recentemente o polonês Olek “Doba, de 67 anos, fez também essa travessia, pela segunda vez, sendo considerado o homem mais velho a cruzar o Atlântico com seu caiaque.
(Do https://marsemfim.com.br/)

TAINHA AÇORIANA: "SAPUDAS" E 'CHEIAS DE PICA"


As tainhas da ilha do Pico, nos Açores. Grandes, "sapudas" e cheias de "pica", segundo vocabulário local. Imagem e definição despescadas da Internet.

segunda-feira, 22 de maio de 2017

OUTRAS TAINHAS...


Ver tradução!

SECANDO O SAL

Foto Fernando Alexandre

O CALDO DE TAINHA DO BRUXO

Ilustração Andrea Ramos
CALDO DE TAINHA À MANEIRA DO SÍTIO
,
Nesta receita, A. Seixas Netto, o "bruxo" do tempo, nos ensina a forma mais simples e antiga de se preparar um legítmo caldo de tainha na Ilha de Santa Catarina.
;
"...Mas as festas da pesca da tainha está por terminar. Os barcos de alto mar pescam as mantas antes que cheguem às redes dos tradicionais, valorosos e históricos pescadores ilhéus. É o progresso, sem dúvida, mas é pena. E muitas vezes a gente torce para comer um caldo de peixe à maneira do sítio, gostoso, natural, e vai dar com os costados num restaurante onde o caldo de peixe é vermelho de colorau e temperos que escapam à razão do bom comedor de peixe.

E como é bom o caldo de tainhas à maneira da ilha. Sua receita é assim: Numa panela grande de barro, água à ferver e cebolinhas verdes picadas, tomates bem maduros, salsinha, algumas folhas de orégano e alfavaca, sal a gosto. Após a fervura, dentro algumas lascas de gordura da tainha, emana um perfume que é maravilhoso, e o caldo assume um colorido típico branco esverdeado. Em plena fervura são lançados ao caldo postas de tainha, ovas, moelas e fígado do peixe. Uns quatro a cinco minutos, serve-se, fazendo pirão do caldo. Pimenta verde, da redondinha que arde como o fogo do inferno, à parte. Alguns vão de vinho branco mas é esnobada.
O bom mesmo é batida de limão. E isso atrai todo mundo para as praias, casa de amigos, restaurantes praieiros.

Mas o caso é que no ano passado levei alguns visitantes a comer caldo de tainha e o restaurante praieiro — (praieiro hein?) — apresentou um caldo vermelho de colorau, e feita para cem, mistura de farinha de trigo.

Resultado: Fizemos que comíamos e depois compramos tainha e viemos fazer o caldo em casa. Mas é assim, o comércio exagerado estraga tudo. E as festas da pesca da tainha vai deixando saudade. Ora se vai... "

(A. Seixas Netto, em "Os festejos das pescas da tainha", crônica publicada oroginalmente em "O Estado". Florianópolis, 28 de março de 1971)

MAR-CAIS

mar arisco 
bate bate na pedra
mariscos

(Fernando Alexandre)

TODOS OS CAMINHOS LEVAM...


Foto e caminhos do Ivan Messiano

NA LEMBRANÇA...


Neri Honorato, do Pantano do Sul, tem 72 anos e pesca desde criança.

MAR DE HASSIS

Hassis - Hiedy de Assis Corrêa ( Curitiba, 27/7/1926 - Ilha de Santa Catarina, 20/1/2001)

TAINHAS: OS PEIXES QUE PULAM

Rio Mamanguape - Foto J. Pontual
Pescadores do Estuário do Rio Mamanguape, na Paraíba, contam que tainha, tamatarana e curimã (Mugilidae) são os principais representantes dos “peixes que pulam”, fenômeno comportamental relacionado, principalmente, à fuga dos predadores. Estes peixes chegam a sair da água quando acuados por predadores. Pelo fato de conhecerem bem os “peixes que pulam”, os pescadores desenvolveram uma estratégia de pesca específica, denominada de “zangareia”, para capturar os cardumes de tainha.
Esta técnica consiste na fixação de rede vertical disposta longitudinalmente no fundo da canoa. A operação envolve várias canoas e ocorre em noites escuras, preferencialmente na lua nova. Dez canoas ou mais, cada uma contendo dois tripulantes e um “tocheiro” (lampião de querosene), colocam-se em fila dupla em busca de algum cardume de tainha. Os peixes saltam “encandeados” pela luz dos lampiões e ao baterem na zangareia acabam caindo dentro da canoa. Estas informações fazem parte de um estudo realizado por José da Silva Mourão e Nivaldo Nordi.

domingo, 21 de maio de 2017

TAINHA HAWAIANA




Foto Mugiles Nágua
Em Diamond Head, Ilha de Oahu, no Hawai, a tainha de Jansen D. Kaya, com 4,23 quilos. Capturada no arpão.

REUNIÃO DE PAUTA

Foto Fernando Alexandre

Pântano do Sul

AS CORES DA TEREZINHA

Foto Fernando Alexandre
Na espera e na espreita...

TAINHA FUXIQUEIRA DE DOMINGO!

Resultado de imagem para Tainha fuxiqueira
Tainha fuxiqueira

1 tainha de aproximadamente 1,5 kg
Sal e pimenta-do-reino a gosto
1 dente de alho

Recheio:

200 g de berbigões
100 g de cebola
75 g de tomate sem semente
100 g de cada: brócolis, couve-flor e cenoura cozida
1 colher de alho-poró picado
2 colheres de manteiga
4 ovos inteiros e batidos
Cebolinha verde a gosto

1. Tempere a tainha com sal e pimenta e um pouco de alho.

2. Leve ao forno médio (forno profissional 15 min, convencional, 45 min). Asse e reserve.

3. Em uma frigideira, coloque a manteiga, a salsa, a cebola, o tomate sem semente picado e o alho-poró. Refogue-os até ficarem transparentes. Acrescente os berbigões e refogue mais um pouco. Logo após, acrescente os legumes (já cozidos). Refogue-os e, por fim, acrescente os ovos e não pare de mexer até que fiquem cozidos. Por fim, recheie a tainha.

( Receita do Restaurante Porto do Contrato, Ribeirão da Ilha)

TAINHAS DE PORTUGAL


É a ultima embarcação a armar a Peixeira na Ria de Aveiro. Quando este homem deixar de o fazer, ficaremos ainda mais pobres de cultura e tradições...
Os tempos mudaram, o trabalho é árduo, e os novos procuram o lucro fácil. Rende-lhes mais uma hora na apanha da ameijoa, que uma maré inteira a procurar cardumes, cada vez mais escassos.
Mas chegaram a ser às dezenas, as "arapucas" armadas nas águas da nossa Ria. Depois de armado o cerco, havia que varejar as águas, para que as Tainhas fugissem e se emalhassem nas Albitanas da Curraleira.
- E era lindo de se ver - contam os mais velhos. O trânsito nos canais era muito e diverso, com Moliceiros e Mercanteis, Chinchorros e tantas outras artes, que se perderam no tempo. 
Sobre esta, o meu Pai - homem da Ria - ainda recorda as vezes em que, no Laranjo, o peixe era tanto que fazia arrear a manta, permitindo que metade se perdesse nas vagas. Era tanto, que lhes permitia darem-se ao luxo de aumentar a medida da malha, na Peixeira, como nas Branqueiras, nas Solheiras ou na Chincha, para não encherem as cavernas de peixe miúdo.
Hoje, até na venda lhes dificultam a vida. Sem a lota do Mercado de Pardelhas - estupidamente extinta - e sem interesse nesta espécie, por parte dos intermediários, resta-lhes a venda ambulante, de "porta a porta", que foi em tempos tarefa das Varinas, também elas desaparecidas.
Para quem não sabe, esclareço que as Tainhas da Ria de Aveiro não têm nada a ver com as de água doce, que habitam os nossos rios e que andam à tona, alimentando-se de tudo o que boia. Um retrato pouco aliciante, principalmente nas zonas urbanas. Os habitantes do Porto, por exemplo, renegam-nas. Mas isso é porque nunca comeram um Ensopado de Tainha da Ria de Aveiro...

Texto de Francisco José Rito

TAINHA CRÔNICA


 A vedete da estação 
Por Ioni de Souza 

Quem é a vedete que sempre aparece no mês de maio na Ilha de Santa Catarina?
Ela chegou numa das praias mais badaladas de Florianópolis, a praia do Santinho.
Percorreu o Mercado Público no centro da Capital, e todos pararam para vê-la. Frequentou as mesas mais sofisticadas da cidade, esteve nos melhores restaurantes. Mas também subiu os Morros da cidade e esteve nas mesas das favelas.
Percorreu todos os bairros da Ilha e de suas imediações. Foi noticia em todos os jornais. E teve destaque até no Jornal nacional.

Afinal quem é a vedete da estação?

Mês de maio, inicio da pesca da Tainha.
A ilha da Magia tem um cheiro especial!
O ilhéu fica em festa.
As pessoas se encontram e perguntam umas as outras:

“E daí, já comesse tainha?” 


Ilustração Andrea Ramos
O velho mercado no centro da cidade fica movimentadíssimo!
As pessoas saem de lá com os grandes peixes enrolados em jornal.
Desfilam pela cidade, felizes com seus peixes.

Cada família tem seu jeito de preparar a Tainha.
Tem Tainha assada na brasa, escalada, recheada e assada de forno, enrolada na folha da bananeira, na telha, etc.

Mas todos têm seu lado bruxo.
Pegam um caldeirão e fazem um caldo que vai virar o principal acompanhamento: o mágico pirão!
Vão colocando no caldeirão de água fervente as cabeças das Tainhas e seus mágicos temperos: tomate, cebola, alho, louro, alfavaca, orégano, cebolinha verde, salsa, colorau, pimenta malagueta e sal.
As casas ficam perfumadas.
O cheiro desses temperos fresquinhos, colocados bem picadinhos, cada um na sua proporção e vez.
A família em volta da mesa esperando esta magia ficar pronta, e típica do manezinho da ilha.
Não se come sozinho a Tainha.
Tainha na Ilha de Santa Catarina é sinônimo de festa, de compartilhar, de convidar, de se encontrar e saborear."
Floranópolis, 2004.

(Ioni de Souza tem 67 anos,
é mãe, costureira, dona de casa e contadora de história e estórias. Mora há mais de 60 anos no Saco dos Limões.)