segunda-feira, 31 de outubro de 2016

SETE BRUXAS

Banda "Damassa", do Campeche, com participação especial de Valdir Agostinho!

Aqui, todo dia é dia...
Fora halloween!

MAREGRAFIAS

Foto Fernando Alexandre

MAR DE KATSUSHIKA HOKUSAI

Katsushika Hokusai (1760–1849)

OLHANDO ILHAS, ESPERO...

Foto Fernando Alexandre

CAMINHOS...

Foto Geraldo Cunha.
Moçambando!

ENGOLIDOS PELO MAR

Foto Arquivo
AS SEREIAS DO HERMENEGILDO

por Kledir Ramil

Os moradores da Praia do Hermenegildo, no Rio Grande do Sul, estão sendo engolidos pelo mar. Pouco a pouco vão sendo devorados por tsunamis de porte médio, que avançam sobre “a maior praia do mundo”.
Alguns falam que é culpa do aquecimento global, outros dizem que é uma maldição local. Não sei. Não quero criar pânico, mas pelos relatos que tenho ouvido, dá até pra acreditar na tal lenda de um monstro marinho, que provoca maremotos com o objetivo de avançar terra adentro em busca de alimento. A fúria destrutiva das águas permite imaginar fantasias como essa de um “Monstro do Hermena”, capaz de engolir o que encontra pela frente: gente, animais domésticos, árvores inteiras, automóveis, ruas de paralelepípedos e até casas de veranistas. Agora, se o bicho consegue digerir tudo isso, é outra coisa.
A praia do Hermenegildo é um lugar lindo e, ao mesmo tempo, estranho. Fica lá no fim do mapa, onde o Brasil encontra o Uruguai e talvez haja mesmo por ali algum mistério inexplicável. Antigamente, a região era um reduto de piratas. Piratas sem embarcações. A pé, a cavalo. Coisa de gaúcho. 
Era assim. No meio da noite, os bandidos acendiam uma enorme fogueira na beira da praia para confundir os navegantes, que acreditando estarem vendo o farol do Chuí, seguiam a falsa rota até encalhar e serem atacados. E pilhados.
Mesmo com todo esse histórico de lendas e desequilíbrio da natureza, meu irmão Kleber comprou uma casa no balneário, de frente pro mar. Como se quisesse desafiar os deuses, especialmente Netuno, o deus dos oceanos.
Dizem que num fim de tarde de outono, Kleber teria ouvido ali o canto das sereias e desde então ficou enfeitiçado. É possível. Ele é um cara de alma sensível, capaz de se deixar levar por encantamentos.
As sereias do Hermenegildo são o oposto dos piratas gaúchos, que ficavam na beira da praia atraindo os incautos. Tudo o que elas querem é nos levar para as profundezas do mar, para vivermos sabe-se lá que tipo de experiência. É um mistério. Nunca voltou uma viva alma pra contar.
Kleber ama o Hermena. Talvez um dia, sentado na sua cadeira de balanço, tomando um mate na varanda e pensando na vida, ele seja tragado pelas ondas do Oceano Atlântico.
Me preocupo por ele mas, se for pra ser assim, tenho certeza que partirá feliz. Nos braços das sereias.

Kledir Ramil 

CRÔNICAS

TEMPO, TEMPO...


Se o galo, na madrugada 
Canta longo e sonoroso 
Vem muito clara a manhã 
E um dia de sol radioso
(Dito popular registrado por A. Seixas Neto)

domingo, 30 de outubro de 2016

E A PRAIA VOLTOU...

Foto: Adriana Santhiago Carvalho Adam / Especial

Maré faz Avenida Atlântica virar faixa de areia
Causa foi a ressaca deste fim de semana
A maré alta mudou a paisagem da Avenida Atlântica, em Balneário Camboriú, neste fim de semana. O mar cobriu de areia a pista e se debruçou sobre ela. A causa foi a ressaca, mas a brincadeira foi inevitável: teria a natureza decidido fazer o engordamento da faixa de areia por conta própria?O fenômeno é causado pela influência de um ciclone extratropical, associado à chamada maré de sizígia (na lua nova). 

Em Itajaí o nível ultrapassou 2 metros, segundo indicação da Praticagem em Itajaí _ um índice inédito nos últimos tempos. A elevação no nível das águas levou ao fechamento temporário do ferry boat, que faz a travessia entre Itajaí e Navegantes. 

A maré atingiu ruas na região central e nos bairros, nas áreas mais baixas da Murta, Cordeiros e Imaruí. No Imaruí, os Bombeiros foram chamados para auxiliar no resgate de um homem com dificuldades de locomoção, que faz uso de muletas. A água chegou a quase meio metro de altura dentro de algumas casas. 

A orla de Navegantes, na região do Bairro Gravatá, teve provavelmente o maior estrago na região. O calçadão foi destruído pela força da maré, e a rua foi tomada pelas pedras. O trânsito no local precisou ser interditado.
(Do www.clicrbs.com.br)

LÁ & CÁ - MAR INVADE PRAIAS

Mar invade a ponta da praia de Santos – nível visivelmente elevado .

ISSO NÃO É RESSACA


Mar invade a cidade de Santos e confirma previsões quanto à elevação do nível dos oceanos face à mudança do clima

Por Antonio Fernando Pinheiro Pedro

É a terceira vez, só neste ano de 2016, que a orla de Santos fica embaixo d’água.
Não se trata de mera ressaca. É elevação mesmo, do nível do mar, na região.
Hora observar o que a ciência tem avaliado, para planejar as contingências.

Dois estudos, um internacional e outro, realizado pela própria academia santista, apresentaram dados firmes no sentido de que o nível do mar no litoral santista não está imune à elevação do nível dos oceanos em todo o globo terrestre.

NorteAmericanos confirmam a elevação do nível do mar.

Segundo estudo publicado na Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America – PNAS, o nível dos oceanos aumentou mais rapidamente a partir do século passado do que durante os últimos três milênios.

Entre 1900 e 2000, o nível dos oceanos e dos mares subiu cerca de 14 centímetros. Esse aumento tem tudo a ver com o degelo polar, especialmente das geleiras do Ártico.

O estudo calculou que sem o aumento das temperaturas globais, observado desde o início da era industrial, o aumento do nível dos oceanos teria chegado a, no máximo, metade do que chegou no século XX.

Puro efeito da mudança do clima em curso no planeta.

O século passado “foi extraordinário, em comparação com os últimos três milênios e o aumento dos oceanos” (o nível do mar) acelerou inclusive nos últimos 20 anos”, apontou Robert Kopp, professor adjunto do Departamento de Ciências da Terra da Universidade Rutgers. As análises tiveram por base um novo enfoque estatístico desenvolvido pela Universidade Harvard – os oceanos diminuíram 8 centímetros entre os anos 1000 e 1400, período marcado por um esfriamento planetário de 0,2 grau Celsius.

Ocorre que a temperatura média global é, atualmente, 1 grau Celsius mais elevado que no final do século, e deverá aumentar ainda mais nos próximos anos.

Para determinar a evolução do nível do mar durante os últimos três milênios, os cientistas compilaram novos dados geológicos, indicadores de subida das águas, pântanos e recifes de coral, e sítios arqueológicos.

Eles também usaram os levantamentos de dados de marés em 66 locais em todo o mundo durante os últimos 300 anos. A tendência é ocorrer aumento de 51 centímetros a 1,3 metros, no nível do mar, se não houver redução do ritmo de aquecimento global.



Força das ondas contínuas, altera perímetros e arrasta, para o que antes eram avenidas, peixes, barcos e devolve o lixo…

ONU confirma o fato

O IPCC – painel científico intergovernamental da ONU, informou em seu estudo, que temperaturas não subam mais do que 2 graus acima da era pré-industrial. Se estes compromissos levarem a uma eliminação gradual do carvão e hidrocarbonetos, o aumento do nível dos mares não será maior que 24 a 60 centímetros, de acordo com o estudo.

“Os novos dados sobre o nível do mar confirmam mais uma vez que este período de aquecimento moderno é incomum, pois se deve a nossas emissões de gases de efeito estufa”, afirmou Stefan Rahmstorf, professor de oceanografia no Instituto de Pesquisa sobre Impacto Climático de Potsdam, na Alemanha. Estes dados “mostram que o impacto mais perigoso do aumento das temperaturas é o aumento dos oceanos, o que já está bem avançado”. “O gelo derrete mais rapidamente quando as temperaturas sobem, é física básica”, brincou Stefan.

Outros estudos apontam no mesmo sentido. Neles, há que tenha afirmado que sem o aquecimento global desde o início da era industrial e seu impacto sobre a subida dos oceanos, mais de metade das 8000 inundações no leste dos Estados Unidos desde os anos 1950 não teriam ocorrido.

Por óbvio, são as zonas costeiras habitadas, que estão abaixo o no mesmo nível do mar, as particularmente vulneráveis – em especial as banhadas pelo oceano atlântico.



Simulação da ocupação da cidade de Santos pelo mar, com a elevação do nível do oceano

Universidade santista responde

O Núcleo de Pesquisas Hidrodinâmicas (NPH) da Universidade Santa Cecília (Unisanta) está pesquisando a ocorrência de ressacas do mar nas praias paulistas, desde a década passada.

A Unisanta, aliás, já alertou sobre possível invasão do nível do mar em Santos, devido ao aquecimento global, em 2009.

A atividade da universidade, feita em parceria com a Praticagem, visa dar maior segurança à navegação, aos tripulantes, aos passageiros de navios e aos moradores da Cidade, em áreas sobre efeitos das marés, fornecendo previsão de ressacas com até três dias de antecedência para a região.

Conforme as pesquisas, divulgadas desde 2009 pelo NPH-Unisanta, o aumento do nível do mar previsto pelos cientistas, se confirmado, será de maneira lenta e gradual, permitindo o seu acompanhamento e providências para amenizar e evitar possível caos urbano.

No entanto, é preciso planejar agora obras de contenção.

A universidade já elaborou até mesmo um mapa, com um prognóstico sobre as ruas e bairros que poderiam ser alagados.

Três cenários de alagamentos

Com base das previsões do IPCC: de 0,5 centímetros; 1,0 e 1.50 metros, em relação ao nível máximo atual, até o fim do século, a Unisanta traçou, em 2009, com detalhes, como se daria o alagamento de bairros e ruas santistas.

As “ressacas” de 2016, ao que tudo indica, estão demonstrando o acerto parcial do mapa.

No pior dos cenários previstos no estudo, o mar subiria 1,50 metros e a Ponta da Praia, o Canal 3 e o Porto seriam os locais mais afetados. De fato, foi ali que se deu o maior volume de estragos nas últimas “ressacas”.

Os cenários anteciparam possíveis efeitos provocados pela elevação do nível do mar em 0,5 centímetros; 1,0 e 1,5 metros, sempre com referência ao nível máximo atual nas marés de sizígia, ou seja, seriam as áreas alagáveis quando houver marés altas (ver áreas azuis nas imagens).

“Em qualquer um dos cenários, é preciso considerar não apenas o efeito dos alagamentos. Deve-se sempre levar em conta o efeito das ondas, que será muito destruidor, mesmo sem grandes ressacas, pois está na sua constância (várias por minuto) este poder de danificar o que encontrar no seu caminho. Os jardins seriam destruídos assim como o pavimento, calçadas das ruas, as garagens e pátios dos prédios seriam invadidos pelas águas e ondas, enfim, o caos”, adverte a pesquisa santista.


Garagem totalmente inundada – estruturas costeiras em perigo.

Hora de agir

A Região Metropolitana da Baixada Santista precisa iniciar programas de contingência, emergência e reurbanização. É preciso reuniar engenheiros, arquitetos, oceanógrafos, defesa civil e analistas jurídicos, para buscar soluções urbanísticas e arranjos institucionais compatíveis com o que poderá ocorrer nos próximos anos, a continuar essa tendência destruidora a cada “ressaca”, que parece, efetivamente, não um movimento ocasional e periódico mas a ponta de um processo de “ocupação” do espaço pelo mar.

Não se trata, obviamente, de um problema localizado. É uma questão nacional. Santos hospeda o maior complexo portuário da América Latina, é o ponto central de escoamento das exportações e porta de entrada de todos os produtos que interessam ao mercado nacional.

A região metropolitana de Santos é de uma importância econômica ímpar e a concentração populacional é das maiores do Brasil.

Assim, é hora de cobrar planejamento sério, engenharia, excelência nas pesquisas e administrações que pensem nos habitantes e, não mais, nos interesses partidários de ocasião.

Fontes:
http://www.pnas.org/content/108/27/11017.abstract?sid=41043fe4-8ed5-4ca4-8e01-022022765221
http://santaportal.com.br/12012-unisanta-realiza-pesquisas-sobre-invasao-do-nivel-do-mar-em-santos-desde-2009
http://g1.globo.com/natureza/noticia/2016/02/aumento-recente-do-nivel-do-mar-e-o-maior-em-3-mil-anos-diz-estudo.html

*Antonio Fernando Pinheiro Pedro é advogado (USP), jornalista e consultor ambiental. Sócio diretor do escritório Pinheiro Pedro Advogados, integra o Green Economy Task Force da Câmara de Comércio Internacional. Membro do Instituto dos Advogados Brasileiros – IAB, membro da Comissão de Infraestrutura e Sustentabilidade e da Comissão de Política Criminal e Penitenciária da Ordem dos Advogados do Brasil – Secção São Paulo (OAB/SP). Editor-Chefe do Portal Ambiente Legal. Responde pelo blog The Eagle View.

(Do http://www.ambientelegal.com.br/)

NA MESA


PÃO DE TAINHA COM SEMENTE DE AROEIRA

Misture 2 xícaras de farinha, 1 colher de fermento em pó e 1 colher de chá de sal. Reserve. Bata 3 ovos, 1/3 de xícara de leite e 1/3 de xícara de azeite de oliva. Coloque coentro e salsinha picados, e semente de aroeira (pimenta rosa). Coloque a mistura de ovos sobre a mistura de farinha e mexa somente até combinar. Coloque duas xícaras de sobras de peixe e mexa delicadamente até incorporar. Coloque a mistura numa forma de pão untada com manteiga. Enfeite com mais sementes de aroeira. Asse em forno a 180 graus. Sirva com um fio de azeite de oliva e salada.

(Do http://www.observasc.net.br/)

MANEMÓRIAS

Foto Nynguem Sabonome
Miramar mirando o mar... Anos 40

sábado, 29 de outubro de 2016

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

PESCA ILEGAL

Foto Divulgação Ibama

Ibama apreende carga de mais de uma tonelada de peixe ameaçado de extinção
Carregamento de cherne poveiro iria de Porto Belo a Santos

por Dagmara Spautz

O Ibama Itajaí apreendeu na madrugada desta sexta-feira uma carga de mais de uma tonelada de cherne poveiro, peixe ameaçado de extinção que tem a captura proibida. O carregamento foi localizado durante uma operação conjunta com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), no posto de Barra Velha. 

Os fiscais do Ibama interceptaram veículos de carga _ o carregamento de cherne foi encontrado em uma van utilitária.
 Foto Divulgação Ibama
O pescado é de Porto Belo, e estava sendo levado para Santos. O dono dos peixes será multado entre R$ 20 mil e 30 mil. Toda a carga está sendo doada para o projeto Mesa Brasil, que a distribuirá em entidades assistenciais do Estado.

Nos últimos três meses, o Ibama Itajaí já resgatou mais de 50 toneladas de pescado irregular na região.
(Do www.clicrbs.com.br)

JACK O MARUJO


- Por que demoram tanto as suas viagens, capitão?
- A verdade é que me perco, disse Jack o Marujo. Minha bússola quebrou e não leio mais as estrelas. Quando aporto, é pura sorte. Ou então, são os mapas que ainda lembro.

NAVEGANDO NO TEMPO

As antigas civilizações do Mediterrâneo se desenvolveram em torno do mar. Por ele viajavam, comercializavam e também faziam a guerra. Os arqueólogos estão fazendo grandes descobrimentos sobre os grandes barcos da antiguidade que estão mudando radicalmente a visão que tínhamos dessas civilizações!

LÁ NO FUNDO...


ESPONJAS AMARELAS
As cores variam muito, tem azuis, vermelhas, roxas... mas tirando a cor, estas esponjas são muito parecidas. Funcionam como um grande filtro, que separa o alimento da água.

Ilha Moleques do Sul - Florianópolis, SC.

Curta a página do INSTITUTO LARUS.

NAS ANTIGAS...

Barcos e canoas à vela ou a remo transportavam mercadorias entre o continente e a ilha. Nesta foto de 1903, quando a ponte Hercílio Luz não existia, dezenas deles no centro da cidade.

MAR DE PESCADOR


Foto: National Geographic

Pesca com bombas no mundo, triste realidade

Pesca com bombas no mundo: uma prática banida continua desafiando o bom senso

Recente matéria da National Geographic (dezembro de 2015), mostra o que acontece nas águas da Tanzânia para desespero das pessoas de bom senso. A pesca com bombas mata peixes, e destrói o meio ambiente marinho.

A matéria da NG diz queespalhados em águas rasas do Oceano Índico, ao largo da Tanzânia, encontram-se fragmentos de recifes de corais mortos. Por quê? Porque pobres pescadores da Tanzânia estão usando explosivos, de forma ilegal, para matar centenas de peixes em segundos. Especialistas acreditam que, na Tanzânia, a pesca com bombas está ocorrendo a taxas sem precedentes, em parte porque um boom de mineração e construção tornou mais fácil para as pessoas colocar as mãos em dinamite. Bombas de garrafas, feitas com querosene e fertilizantes, também são usadas.
Enquanto isso, no Brasil…
E ainda tem gente, especialmente no Brasil, que jura que “as populações tradicionais, e ou, a pesca artesanal, são sustentáveis“. Este é o mote dos “socioambientais”. No Brasil eles foram premiados pela Lei do SNUC, que criou uma categoria de (des) Unidade de Conservação especialmente para as populações tradicionais: as famigeradas RESEX.

Pesca com bombas na Ásia…

Assista o vídeo da pesca com bombas no Líbano:

Agora nas Filipinas…

Apesar do alerta de um vídeo da televisão inglesa informando que “o arquipélago das Filipinas é tão rico em biodiversidade que tem mais espécies que a Grande Barreira de Corais”, a pesca com bombas também é pratica corriqueira. Mata peixes, destrói corais, e mutila pescadores.

E de novo no país de Macunaíma…
No Brasil a pesca com bombas é prática corriqueira. Até hoje o ‘eficiente’ Ibama não conseguiu impedi-la nos igualando à Tanzânia, Líbano e que tais…
( Do http://marsemfim.com.br/)

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

AVISO AOS NAVEGANTES!

ALERTA GERAL
🔴Alerta da Defesa Civil Santa Catarina e da EpagriCiram para quinta-feira, sexta-feira e sábado:

➡O mar estará agitado, com previsão de ondas altas, ressaca e alagamentos no Litoral de Santa Catarina.🌊
➡O vento de sul intenso e persistente é que deixará o mar muito agitado a grosso com ondas altas e picos que podem chegar a 5,0 m, trazendo risco para atividades de navegação e pesca no litoral.
➡O mar agitado a grosso traz risco de ressaca na área da costeira catarinense, especialmente ao sul de Itajaí.
➡Essa condição associada à maré astronômica pode ocasionar alagamentos isolados, também nas áreas mais baixas da costa catarinense, como: Rod. Diomício Freitas, Centro de Eventos – CentroSul, praias do Sul da Ilha de Santa Catarina, Avenida Atlântica de Balneário Camboriú, Barra Velha, Araranguá, Laguna, Itajaí, Joinville, Tijucas dentre outros. Os alagamentos podem ocorrer até o domingo.
Acompanhe as previsões no site da Epagri Ciram http://ciram.epagri.sc.gov.br/ e da Defesa Civil SC defesacivil.sc.gov.br.

A FESTA

Ilustração Andrea Ramos
A FESTA

     Inácia olhava o mundo através de uns olhos verdes claros. A menina as vezes via peixinhos  nele, outras vezes via  nuvens cinzentas que desaguavam em tempestade. Mas  normalmente a mãe  era alegre.Cantava quando estendia roupa lá fora e quando cuidava, com  carinho, do seu canteiro de ervas, que  a  menina chamava de plantinhas mágicas, pois acabava com qualquer tipo de dor.
       Todo final de tarde, quando o por do sol deixava o mundo cor de rosa, as duas sentavam-se junto à janela.  E os que passavam por lá,  paravam e contavam  histórias. Naquela semana  foi grande o movimento na janela  da casinha que ficava a beira do caminho. Uns voltando da lida no mar, outros  da terra. Todos contentes, envolvidos com os preparativos da Festa..
          
Na segunda feira passou Josino, puxando o cavalo preto que trazia no lombo suado dois  cerões cheios de cimento,  pra terminar o piso do salão pro dia da Festa. Contou que  eram tantos os peixes na rede, que a praia estava todinha  prateada. Deu uns mariscos   pra mãe cozinhar, cascar e comer com farinha. Perguntou se tinham visto o seu Quiqui, da rabeca. Disse que estava  preocupado pois a  garganta  doía e  não ia poder cantar na Festa. Daí a mãe deu  um pedacinho de gengibre pra ele fazer gargarejo antes de dormir.
      
Na terça-feira  passou  seu João, carregando cipó nas costas, pra fazer o balaio  pra guardar as massas do leilão pro  dia da Festa. Contou que já tinha socado a farinha e o amendoim no pilão,  pra Dona Hilda fazer a pijajica que todo mundo adorava. Deu umas pedrinhas pra menina colocar no chão da casa de bonecas. Perguntou se tinham visto passar Darci, do violão. Disse que estava preocupado pois a mulher  andava com as dores do reumatismo e não ia poder  dançar na Festa. Daí a mãe deu um punhadinho de  Erva baleeira pra ela fazer chá e tomar antes de dormir.
       
Na quarta-feira passou Tina, trazendo a sacola cheia de flores e bandeirolas pra enfeitar a Santa Cruz  pra novena, no dia da Festa. Contou que tinha uma  cachapa  de marimbondo tão grande  no pé de bergamota que a criançada tinha que tomar cuidado pra não ficar de cara inchada. Deu um carretel de linha branca pra mãe terminar as toalhinhas de renda de bilro estreladas .  Perguntou se tinham visto passar o Pedroca, da gaita. Disse que estava preocupada pois  a filha tinha começo de gripe e    não ia poder  vir pra Festa. Daí a mãe deu um punhadinho de Melissa pra ela fazer chá e tomar antes de dormir.
        
Na quinta-feira passou Nestor, indo buscar lenha pra fazer o fogo pra assar as tainhas, no dia da Festa. Contou que  o gambá safado,  tinha arrebentado a armadilha que ele armara no telhado.  Deu uns galhos de guarapuvu pra menina fazer a cerca de sua casinha de bonecas.   Perguntou se tinham visto passar O Rodolfo, que cantava.  Disse que estava preocupado pois  andava muito ciumento de Rosinha e podia arrumar briga na festa. Daí a  mãe deu um punhadinho de erva-cidreira pra ele fazer chá e tomar antes de  dormir.
      
Na sexta-feira passou Miroslau, carregando os bambus  pra fazer as tochas pra iluminar  todo o lugar, no dia da Festa. Contou que tinha ouvido no rádio que sábado ia dar tempo bom, com noite clara de lua cheia. Deu um marimbau  que ele tinha acabado de pescar pra mãe fritar na panela.  Perguntou se tinham visto passar o Armindo, da viola. Disse que estava preocupado pois  a acidez e o mal estar  não passavam e  não ia poder aproveitar as comilanças da festa. Daí a  mãe deu um bocadinho de boldo pra ele fazer chá e tomar antes de dormir.
       
No sábado passaram  Quiqui da rabeca, Darci do violão, Pedroca da gaita, Rodolfo que cantava e Armindo da viola. Contaram que  estava vindo gente de todos os lados, pra Festa. Deram um beijo na menina que tinha os cabelos cheirando a marcela. Perguntaram se alguém tinha procurado por eles. Disseram que estavam preocupados pois podiam  não tocar bem na Festa. Daí a  mãe deu um galinho de arruda pra cada um botar atrás da orelha. Então as duas  tomaram banho com água de alecrim, escovaram bem os cabelos, puseram seus vestidos  coloridos e calçaram seus sapatos brancos. Fecharam a janela e foram pra Festa!

(Conto inédito de Andrea Ramos)

MANEMÓRIAS

Foto Amnésio Agudo dos Santos
Fim de tarde, anos 50: a noite chega de leve no Miramar e outros trapiches do centro da cidade que ainda era de frente para o mar.

E Desterro virou Florianópolis...

Desterro do século retrasado - Tela de Victor Meirelles - Rua João Pinto, antiga Rua Augusta.
Óleo sobre cartão - 33,9 x 49,2 - Coleção Museu Nacional de Belas Artes - Rio de Janeiro.


A pequena cidade de Desterro, que em 14 de outubro de 1893 havia se transformado na capital do Governo Revolucionário Federalista, menos de um ano depois tem seu nome trocado. Com o enfraquecimento da revolução federalista e o seu final, Floriano Peixoto - o Marechal de Ferro - então Presidente da República, manda para a cidade o sanguinário coronel Moreira César como governador provisório da província. Moreira César persegue, prende e manda fuzilar quase 200 federalistas da cidade.
Logo em seguida, no dia 8 de setembro de 1894 são realizadas eleições para governador e vice, sendo eleitos Hercílio Pedro da Luz e Polydoro Olavo de S. Thiago, respectivamente. Hercílio Luz toma posse no dia 28 de setembro e dois dias depois, dia 1 de outubro de 1894, o Congresso Representativo muda o nome da cidade para Florianópolis, para homenagear aquele que tinha mandado massacrar e fuzilar quase 200 de seus moradores.
Ainda hoje, grande parte dos moradores da cidade se recusam a usar o novo nome, preferindo chamá-la de Ilha de Santa Catarina.

MOTOR DE PANO

Este filme foi gerado com imagens captadas de forma amadora, e entrevistas conduzidas por Miguel Sávio de Carvalho Braga, nos anos 2010-2012, durante desenvolvimento de sua tese de doutorado intitulada: "Embarcações a vela do litoral do estado do Ceará: construção, construtores, navegação e aspectos pesqueiros". Imagens e sons obtiveram o consentimento dos envolvidos.

A CURA NO MAR


Fármacos marinhos, seu imenso e desconhecido potencial

A maioria dos fármacos em uso clínico ou são de origem natural ou foram desenvolvidos por síntese química planejada a partir de produtos naturais. Segundo estimativas da Convenção da Diversidade Biológica (CDB), o Brasil hospeda entre 15 e 20% de toda a biodiversidade mundial, sendo considerado o maior do planeta em número de espécies endêmicas. Remédios vitoriosos contra a psoríasis; um inibidor irreversível de fosfolipase; o combate ao Herpes e a AIDS; todos foram sintetizados a partir de organismos marinhos.

Estas informações estão no estudo Biodiversidade: Fonte Potencial para a Descoberta de Fármacos, do professor Eliezer Barreiro (Departamento de Fármacos, Universidade Federal do Rio de Janeiro). E são apenas a ponta do Iceberg.
Foto: SAPO Lifestyle

Programa BIOTA- FAPESP

Lançado em 1999, um dos objetivos do programa é avaliar as possibilidades de exploração sustentável de plantas ou de animais com potencial econômico do estado de São Paulo.

O BIOTA-FAPESP envolve mais de 1.200 profissionais (900 pesquisadores e estudantes de São Paulo, 150 colaboradores de outros estados brasileiros e 80 do exterior).

Entre os vários objetivos está…

a prospecção de novos compostos de interesse econômico em microrganismos, fungos macroscópicos, plantas, invertebrados (inclusive marinhos) e vertebrados.
Mas há outros programas, como o BIOTA + 10 que compreende diversos estudos, entre eles Biodiversidade e Saúde Humana: como a fragmentação da paisagem afeta a distribuição da malária? E o que acontece com a paisagem do litoral senão sua progressiva e apressada destruição? Quanto isso pode custar para nós? Quantos fármacos marinhos ainda estão por serem descobertos?
A procura de fármacos marinhos no mundo

Na Espanha, há 40 anos, existe o Iberian Symposium on marine biology studies; no Chile, a Sociedad Chilena de Ciencias del Mar, promove congressos latino-americanos para estudar os organismos marinhos com potencial econômico; em 2017 a União Internacional para a Química Pura e Aplicada (IUPAC, da sigla em inglês), promoverá em São Paulo o 46º World Chemistry Congress com o mesmo objetivo; nos Estados Unidos, em 1888, foi criado o National Center for Biotechnology Information (NCBI), parte da United States National Library of Medicine (NLM), e braço do National Institutes of Health. Objetivo? O mesmo citado.
O câncer e os fármacos marinhos

Outro trabalho, de autoria de Letícia Veras Costa- Lotufi; Diego Veras Wilke; Paula Christine Jimenez, e Rosângela de A. Epifanio, do Laboratório de Oncologia Experimental e Instituto Ciências do Mar, Universidade Federal do Ceará, de 2009, informa que

A indústria farmacêutica representa o setor investidor principal das etapas de ensaios pré-clínicos e clínicos no processo de P&D de fármacos, o que, de certa forma, determina quais moléculas têm potencial para atingir o mercado. Os custos envolvidos nesse processo são extremamente elevados, podendo envolver gastos da ordem de 2 bilhões de reais (900 milhões de dólares), no caso de fármacos anticâncer. 

E prossegue o estudo…

Nos últimos anos algumas companhias foram fundadas com o objetivo de desenvolver novos fármacos com protótipos de origem marinha. É o caso daPharmaMar, fundada em 1986 e, hoje, uma divisão do grupo Zeltia, que nos últimos 20 anos investiu mais de 1,2 bilhão de reais (420 milhões de euros) na pesquisa em fármacos de origem marinha com potencial para tratamento do câncer. A PharmaMar conta com uma coleção de mais de 65.000 organismos marinhos, de onde já foram isoladas 700 novas entidades químicas e 30 novas famílias de substâncias já foram descritas. Vale ressaltar que atualmente existem 3 substâncias em fase pré-clínica e 5 em fase clínica de testes, sendo que a trabectedina (ET-743, Yondelis®) foi recentemente aprovada pela Comissão Européia para o tratamento de sarcomas de tecidos moles em pacientes refratários a antraciclinas e ifosfamida.
O AZT, remédio para AIDS; outro para Leucemia; um terceiro combate o Herpes; todos vieram do mar

O estudo ‘Fármacos de Vêm do Mar‘, de Lúcia Beatriz Torres, informa…

A primeira verdadeira descoberta oriunda das profundezas do mar, remonta ao início dos anos 50, a partir do trabalho de Bergman e colaboradores. Uma substância química, a espongouridina, encontrada em uma esponja marinha coletada no mar da Flórida, nos EUA, mostrou-se particularmente eficaz para combater certas formas de leucemia. Com base nessa substância, especialistas da área da Química Medicinal formularam sinteticamente análogos que resultaram na descoberta de dois fármacos. O citarabina, usado no tratamento da leucemia mielóide aguda e o vidarabina, um antiviral, prescrito para tratamento da herpes

Prossegue o mesmo estudo…

Uma contribuição ímpar de produto natural marinho, servindo como fonte de inspiração para o desenvolvimento de fármacos sintéticos, partiu da mesma substância encontrada na esponja marinha estudada por Bergman. A espongouridina serviu de molde molecular para a criação de um derivado sintéticoque originou o azidotimidina, o AZT, primeiro recurso terapêutico para a Síndrome da Imuno-deficiência Adquirida (AIDS).

(Do http://marsemfim.com.br/)

quarta-feira, 26 de outubro de 2016

TRABALHADORES DO MAR

Foto Fernando Alexandre

A MANHÃ SENDO...

Foto J.J. Brewster
Pântano do Sul

TEMPO DE SARDINHAS

Caldeirada de sardinha

Ingredientes 

. 3 colheres (sopa) de azeite
. 1 cebola picada
. 2 tomates sem pele e sem sementes picados
. 1 pimentão amarelo cortado em cubos
. 1 alho-poró cortado em rodelas
. Sal a gosto
. Pimenta-do-reino moída a gosto
. 2 1/2 xícaras (chá) de caldo de legumes
. 12 sardinhas inteiras limpas
. 3 colheres (sopa) de salsa picada 

Modo de preparo

Em uma panela grande, aqueça o azeite e doure a cebola. Acrescente o tomate e refogue por dois minutos. Junte o pimentão, o alho-poró, sal, pimenta e refogue durante cinco minutos. 
Acrescente o caldo de legumes e, assim que levantar fervura, abaixe o fogo para brando. Disponha as sardinhas delicadamente sobre o cozido, tampe a panela e cozinhe durante dez minutos sem mexer. Desligue o fogo, salpique a salsa e sirva.
Dica: este prato fica mais saboroso se preparado de véspera e pode ser servido frio.

(Do http://www.lusosabores.com/)

MAR DE OLHETES

Cardume de Olhetes (Seriola lalandi)
Ilha Moleques do Sul - Florianópolis - SC.

Curta a página do INSTITUTO LARUS.

TEM NEVE NA PRIMAVERA


Previsão é de Neve “histórica” para São Joaquim no dia 28 Outubro

Segundo o Climaterra uma imensa frente fria deverá atingir a Serra Catarinense nos próximos dias fazendo com a temperatura despencar vertiginosamente até a -1°C.

E alguns modelos de previsão do tempo, em especial o modelo americano, já indica o frio intenso que deverá se transformar em um belo espetáculo de neve já no amanhecer de sexta-feira dia 28 de Outubro de 2016.

Ainda de acordo com o Climaterra isto é algo inusitado para a época a a última vez que isto ocorreu foi em 1942 durante o ápice da segunda Guerra Mundial.

A impressionante janela da neve de Outubro em São Joaquim deverá se abrir durante a madrugada e amanhecer de sexta-feira 28 em São Joaquim.
(Do http://saojoaquimonline.com.br/)